Casa 530: Boa comida na sala de casa

Em uma casinha em Pinheiros, com piano no primeiro andar e prateleira cheia de livros de culinária no segundo, fica a Casa 530, restaurante vegetariano das sócias Thatiana Capellano e Lívia Collino. O lugar pretende não só inspirar não-vegetarianos a adotar cada vez mais uma dieta sem proteína animal, mas também fortalecer o mercado local de pequenos produtores. As duas se conheceram na faculdade de Relações Públicas, onde a Lívia estudava e a Thati era professora e orientadora. Descobrindo o interesse em comum pela gastronomia, passaram a trocar figurinhas sobre o assunto. A Livia terminou a faculdade e resolveu se jogar no seu sonho e, alguns anos depois, as duas se juntaram novamente para abrir o restaurante.

Casa 530 – Foto: Dani Valentin

A Casa abriu na metade desse ano e atualmente funciona de segunda a sexta para café da manhã, almoço e café da tarde. Os planos para o próximo ano incluem abrir também aos sábados e uma noite de sexta por mês. Elas querem também transformar a casa em um espaço de educação com cursos sobre assuntos como fermentados, desperdício zero, alimentação orgânica e por aí vai. O cardápio é sazonal, sempre destacando os ingredientes fortes da temporada e trazendo um prato diferente por semana.

Nós fomos convidados para conhecer o restaurante alguns dias atrás e simplesmente amamos. Primeiro, pelo ambiente: adoro restaurantes que parece que você está na sala da casa de uma amiga, aquele ambiente quentinho e acolhedor. E tudo fica ainda melhor se a comida está a altura, como é o caso aqui. De entrada fomos de saladinha e de prato principal experimentamos a lasanha de abobrinha, com ricota, molho de tomate e manjerona e a moqueca de maxixe vegana com arroz e farofa vegana. Ambos pratos estavam deliciosos e deu para entender porque a lasanha é um dos pratos mais pedidos da casa: sério, se for sua primeira vez por lá, peça!
Moqueca de maxixe. Foto: Lalai Persson
Lasanha e salada. Foto: Dani Valentin
De sobremesa, fomos de iogurte. Aliás, o iogurte de lá tem história: quando a Padoca do Maní abriu uma chamada procurando produtores pequenos e locais para fornecer os produtos para o lugar, a Lívia colocou iogurte caseiro que fazia embaixo do braço e foi apresentar para Helena Rizzo e companhia. Ela ganhou e foi essa vitória que permitiu que a Lívia seguisse esse caminho. Para a nossa sorte.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Casa 530
Rua Amaro Cavalheiro 530
Segunda a sexta, das 8h às 17h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *