A exposição ‘Nirvana: Taking Punk to the Masses’ chega a São Paulo

Em fins dos anos 80, o rock estava curvado à onda glam, com as leggings coloridas e as cabeleiras pomposas de astros como Jon Bon Jovi e Axl Rose. A reação a esse movimento foi justamente uma volta ao punk dos anos 70, que desprezava o espetáculo musical, e retomava o som espontâneo e raivoso das bandas de garagem. A cena underground do noroeste dos Estados Unidos começou a chamar atenção pelo contraste com as cidades pacatas da região. Mas foi só em 1991 que aquele novo rock, gutural e raivoso, seria alçado ao mainstream, com o lançamento do álbum ‘Nevermind’. O Nirvana foi catapultado ao estrelato, e se tornou o símbolo máximo do grunge. Mesmo tendo um fim precoce com o suicídio do vocalista Kurt Cobain, o Nirvana ainda figura entre as maiores bandas de rock de todos os tempos.

Kurt Cobain
Foto de Kurt Cobain ainda na escola

É essa carreira meteórica que a exposição ‘Nirvana: Taking Punk to the Masses‘, que estreou ontem em São Paulo, apresenta através de fotos, documentos, videos, objetos pessoais, relatos e vários instrumentos musicais. A mostra faz parte da coleção permanente do Museum of Pop Culture de Seattle (MoPOP), e em sua primeira saída pelo mundo veio cair justamente no Brasil. Depois de passar pelo Rio de Janeiro, agora a exposição chega ao Lounge Bienal, no subsolo da Bienal.

Nirvana: Taking Punk to the Masses
A primeira demo do Nirvana e o poster de um dos primeiros gigs, na casa de shows The Vogue

Como não poderia deixar de ser, parte da mostra se dedica ao gênio atormentado Kurt, que sucumbiu à pressão da fama depois do sucesso da banda. Estão lá fotos dele ainda na adolescência, e seus trabalhos escolares que já mostravam um grande impulso criativo. Mas, diferentemente da persona deprimida e retraída que sua morte trágica oferece, é possível ver que Kurt era na maioria do tempo amável e divertido através de cartas e letras de música escritas por ele.

Nirvana: Taking Punk to the Masses
O primeiro contrato do Nirvana, que previa a gravação de 3 álbuns

A exposição traz também uma série de curiosidades da trajetória da banda, como o primeiro contrato com a gravadora Sub Pop por ridículos 600 dólares para o primeiro álbum ‘Bleach’. É engraçado ver os comentários deles sobre o original da famosíssima foto do bebê na piscina com atrás da nota de dolár que estampou a capa do ‘Nevermind’. Sobre a foto lê-se: ‘Se alguém tiver problema com o pênis dele, nós podemos tirá-lo’. Fora isso ainda estão lá os set lists de shows icônicos (inclusive dos shows de SP e Rio em 1993), as várias guitarras quebradas por Kurt nos shows, e até a roupa que o Krist Novoselic usava no MTV Music Awards de 1992, quando ele jogou o baixo na própria cara.

Nirvana: Taking Punk to the Masses
Fotos e crachás da turnê de ‘Nevermind’

Muito do material coletado, inclusive, teve ajuda do próprio Krist, que emprestou parte do seu acervo, e ajudou com a apuração de fatos. O fim da exposição conta com um grande painel com discos tirados da sua coleção, selecionados por serem grandes referências musicais para o Nirvana. É possível escutar músicas de todos esses discos, além de muitas outras de outros painéis espalhados no salão. Um deles trás as bandas que fizeram a cena underground dos anos 80 de Seattle, e outro traz as que fizeram fama com o grunge dos anos 90, como Pearl Jam e Alice in Chains. Pura nostalgia.

Nirvana: Taking Punk to the Masses
A coleção de discos do Krist Novoselic para você escutar

Além disso tudo, duas instalações convidam os saudosos fãs a se divertirem com o Nirvana. Um cenário de piscina azul permite que as pessoas tirem suas selfies bancando o bebê da capa no fim da mostra. E em uma caixa fechada, com muita privacidade, é possível ouvir o grande hino do Nirvana ‘Smells Like Teen Spirit’ e cantar a plenos pulmões, bater muita cabeça e se jogar como a música manda. Só fica esperto que depois o video é mostrado em uma TV do outro lado.

Nirvana: Taking Punk to the Masses
Essa não precisa de legenda, né?

A exposição ‘Nirvana: Taking Punk to the Masses’ é parte do projeto Samsung Rock Exhibition, que já trouxe uma mostra sobre o Jimmy Hendrix em 2015. Com parceira do Ministério da Cultura e realização do Instituto Dançar, ela fica em cartaz até 12 de dezembro.

Nirvana: Taking Punk to the Masses
Lounge Bienal – Pavilhão Ciccillo Matarazzo (Pavilhão da Bienal)

Parque do Ibirapuera – Portão 3
Bilheteria: de terça a sexta, das 9h30 às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 19h
Visitação: de hora em hora, 1h por sessão
Ingressos: $25 de terça a sexta, $35 sábados, domingos e feriados (inteira)

Renato Salles

Paulistano da gema e da clara, conhece o mapa de São Paulo melhor que muito taxista (mas foge do trânsito como da cruz!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *