Mica, o izakaya moderninho da turma do Pitico

Depois do super bem sucedido Pitico, a turma do grupo do Pita Kebab resolveu investir pesado na pequena Rua Guaicuí, no Baixo Pinheiros. Só em 2017, eles já abriram duas casas novas, fugindo um pouco da excelente comida árabe que eles fazem tão bem há mais de 10 anos. É o caso do Mica, um micro-restaurante que faz uma deliciosa mistura de influências asiáticas com a gastronomia de vários países.

Para começar, e mudando completamente o clima dos outros restaurantes do grupo, o Mica é tão pequeno que dentro não tem nenhuma mesa. Apenas um grande balcão, onde cabem até 16 pessoas, corta o espaço longitudinalmente, dividindo-o com a cozinha em linha, no melhor estilo dos izakayas japoneses. As poucas mesas disponíveis ficam do lado de fora, na calçada.

O salão do Mica é na verdade uma salinha - foto: Renato Salles
O salão do Mica é na verdade uma salinha – foto: Renato Salles

O cardápio também segue a linha minimalista oriental. As opções estão divididas em três grupos, cada um com um único preço: as porções ($14), os acompanhamentos ($6) e os sanduíches ($16). É tudo baratinho, mas os pratos são todos pequenos. Deve ser de propósito, porque dá vontade de experimentar tudo. E acho que a ideia do programa lá é exatamente esse, ficar petiscando, dividindo tudo, e jogando conversa fora. O meu bate-papo foi embalado por um escabeche de lula bem macio, um ceviche surpreendente com bifum e castanha de caju, um guioza de mexilhão muito saboroso, e fechando com o thai karaage, cubos de frango frito picante com um molho agridoce de comer de joelhos. Tudo vem servido em pequenos bowls de cerâmica rústica para se comer com hashis.

O delicioso thai karaage combina perfeitamente com o surya - foto: Renato Salles
O delicioso thai karaage combina perfeitamente com o surya – foto: Renato Salles

Fechando a refeição, ainda me arrisquei com um dos sanduíches, que vem todos no bun, um pão chinês cozido no vapor, do tamanho de um pão de queijo grande. O recheio pode ser de porco, peixe ou vegetariano. Eu fiquei com o primeiro, um lombo empanado que derretia na boca. E só com isso eu confesso que já estava satisfeito.

O bun de porco vem com maionese de curry em cima - foto: Renato Salles
O bun de porco vem com maionese de curry em cima – foto: Renato Salles

Mais elaborada, e um pouco mais cara, a carta de drinks também faz bonito, com receitas um tanto curiosas. Tem drink de cachaça com abobrinha e cardamomo, de soju (destilado de batata doce) com beterraba e wasabi, e até um que leva rum com kimchi (acelga fermentada). Eu fiquei com o refrescante Surya, de gim com gengibre e folhas de shiso. Complementam a carta sakês e outros destilados japoneses, cervejas japonesas e tailandesas, e alguns sucos com um pé no oriente.

Uma boa dose de sakê japonês vai bem com o escabeche de lula - foto: Renato Salles
Uma boa dose de sakê japonês vai bem com o escabeche de lula – foto: Renato Salles

A experiência de comer no Mica é toda não só saborosa, mas instigante. São tantas misturas inusitadas, ingredientes tão diferentes em receitas tão simples e comuns, que você se sente desbravando um novo mundo culinário. E estar sentado cara-a-cara com os cozinheiros, que te contam cada detalhe dos pratos que servem, faz a refeição virar quase uma aula. O único drama no Mica é conseguir lugar, já que ele é tão enxuto. O bom é que, se a fila estiver grande demais, você sempre pode migrar para o Pitico ou para o Buraco Quente, dos mesmos donos, e no mesmo quarteirão.

A inusitada mistura de cachaça, abobrinha e cardamomo do Chicabô - foto: Renato Salles
A inusitada mistura de cachaça, abobrinha e cardamomo do Chicabô – foto: Renato Salles

Mica
Rua Guaicuí, 33 – Pinheiros
(11) 3360-2608

De terça a domingo, das 12h à 0h.

Renato Salles

Paulistano da gema e da clara, conhece o mapa de São Paulo melhor que muito taxista (mas foge do trânsito como da cruz!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *