Marcel, um francês requintado ao alcance de todos

Pensar em comida francesa já te dá arrepios só de pensar no preço? Pois bem, essa sensação já pode ficar no passado. Hoje em dia, nem sempre comer bem significa desembolsar pequenas fortunas. A realidade da gastronomia aqui em São Paulo é outra, embora não seja uma regra. Restaurantes de peso e consolidados na história da cidade vem em um movimento contrário à famosa “gourmetização” e trazendo sabores da culinária internacional para mais perto da população. Não é preciso mais ser milionário para se deliciar com pratos tradicionais da culinária francesa.

11159517_868062166566569_3764006419953785577_n
Ambiente gostoso do Marcel

Um bom exemplo desse movimento é Restaurante Marcel, que fica no térreo do Quality Suites Oscar Freirenos Jardins. Fundando nos anos 50, o Marcel é fruto de uma história que começou por conta da vinda ao Brasil de um imigrante francês e sua família durante a Segunda Guerra Mundial. Jean Durand era confeiteiro de formação, e ao chegar no Brasil assumiu a famosa cozinha do La Popote, um dos restaurantes mais consagrados da época.

Foi Durant que, na década de 60, comprou o Marcel de um conterrâneo e começou criar os primeiros soufflés do Marcel, a pedido de uma cliente. Mal sabia ele que esse prato se tornaria o grande ícone da cozinha do seu restaurante e que acabaria tombado pelo Patrimônio Gastronômico de São Paulo. Chega de história e vamos para o que interessa, né?

Estivemos lá outro dia, provando o Formule Prix-Fixe, um menu de preço fixo super acessível e que vai te encantar. O menu foi criado pelo chef da casa Raphael Despirite – que iniciou sua carreira gastronômica aos quatorze anos de idade como ajudante de cozinha nos bastidores do Marcel – custa apenas R$85 e dá direito a escolher uma seleção de pratos franceses, distribuídos entre entrada, prato e sobremesa. Tudo servido por garçons extremamente simpáticos e atenciosos, em um ambiente aconchegante, climatizado e com um toque de romantismo.

Captura de Tela 2016-10-17 às 4.33.08 PM

Na entrada, as opções são: gnocchis de mandioquinhas dourados ao creme de grana padano, salada verde com salmão defumado ao molho de iogurte, azeite de oliva e hortelã.  Os gnocchis são uma ótima opção para quem é vegetariano ou anda em uma onda vegetariana como eu,

Entre os pratos principais, a estrela da casa, o soufflé de queijo gruyère, é um dos mais pedidos segundo os garçons. E foi na dica dele que segui. Sem decepção, claro! O soufflé é muito saboroso e mesmo tendo um bom apetite, acabei deixando no prato, pois a porção é bem servida.  Ele definitivamente faz jus ao prêmio de Patrimônio Gastronômico de São Paulo dado pelo jornal O Estado de São Paulo.

20160829_215304
O famoso Soufflé de queijo gruyère – Eleito patrimônio gastronômico de São Paulo pelo jornal O Estado de São Paulo

Já o Renato, que me acompanhou nesse jantar, optou pelo peixe do dia em crosta de pão, emulsão de tomates, pimentões, amêndoas e cuscuz de ervas. Também não decepcionou! Tanto ele, quanto eu – sim, provei do prato alheio – aprovamos o prato, que além de bem servido, era leve e de sabor delicado.

E para fechar a noite, sobremesa! Eu optei pelos profiterolles ao chocolate e infelizmente não escolhi tão bem assim. Embora bem saborosos, a massa estava levemente borrachuda e gelada, o que acabou numa sensação estranha na boca. Já o sorbet de manga, além de lindo, estava delicioso e refrescante. Recomendo sem dúvida, escolher o sorbet.

Sorbet de manga
Sorbet de manga

Vale ressaltar ainda que o menu muda constantemente e que, embora a minha experiência com os profiterolles não tenha sido das melhores, a sua pode ser incrível. Então, na próxima vez que pensar em levar alguém para um jantar a dois, com uma pegada mais francesa, mais romântica, dê uma chance pro Marcel. 😉

Bon appetit!

Restaurante Marcel
Endereço: Quality Suites Oscar Freire – R. da Consolação, 3555 – Jardins
Telefone: (11) 3064-3089
Horário: De segunda a sexta  das 12h às 14h30 – das 19h à 0h / Sábado das 19h à 0h / Domingo das 12h30 às 16h – das 19h às 23h

Jo Machado

O Jo é um amante curioso, fiel e sem firulas da cidade. Adora vê-la fluir. Ver suas ruas cheias de vida e histórias. Fica feliz com os causos da cidade de outrora e gostaria de ter vivido por aqui também em outras épocas. Ama a diversidade da cidade, com ênfase na vasta gastronomia presente por aqui. Ele lambe os beiços só de pensar, acredite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *